Projeto ViViDo avança na prevenção e combate à violência contra as mulheres e violência doméstica

ViViDo_news

O projeto inovador promovido pelo IGOT no âmbito do EEA Grants é oficialmente apresentado já no dia 21 de outubro

Projeto ViViDo na proteção das vítimas de violência contra as mulheres e violência doméstica apresentado em Seminário Internacional

O Projeto ViViDo, projeto no âmbito da proteção das vítimas de violência contra as mulheres e violência doméstica, será apresentado no próximo dia 21 de outubro, na Sala de Conferências Jorge Gaspar do IGOT - Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, e conta com a participação da Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro. A apresentação será ainda transmitida, em simultâneo, através da plataforma Zoom.

O projeto promovido pelo IGOT, apresenta-se como um projeto inovador que concretiza umas das ações prioritárias definidas na Resolução do Conselho de Ministros n.º 139/2019, de 19 de agosto, que aprova medidas de prevenção e combate à violência doméstica, bem como uma medida SIMPLEX. Este projeto está alinhado com o Plano de ação para a prevenção e o combate à violência contra as mulheres e à violência doméstica (PAVMVD), que integra a Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não Discriminação – Portugal + Igual (2018-2030). Financiado pelo Mecanismo Financeiro EEA Grants (MFEEE 2014-21) e inserido no Programa Conciliação e Igualdade de Género operado pela CIG, o Projeto ViViDo tem um orçamento global de 299.985€.

 

Um instrumento inovador para uma intervenção centrada na vítima

O Projeto ViViDo prevê a criação de uma plataforma nacional de gestão de informação online centrada nas vítimas, com o objetivo de promover a coordenação interinstitucional na Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica (RNAVVD), melhorar a partilha de informação, avaliar o grau de risco, avaliar as necessidades das vítimas e adequar os serviços prestados às necessidades. O Projeto visa ainda melhorar a alocação e uso de recursos técnicos e humanos, e monitorizar o processo da vítima.

Aprovado no âmbito do concurso "Projetos para melhorar a proteção das vítimas de violência contra as mulheres e violência doméstica", o Projeto ViViDo terá uma duração de 24 meses.